Dê o primeiro passo para o perdão

Meus irmãos, hoje é o dia de nós darmos o passo do perdão. Um perdão verdadeiro. Só que nós nos assustamos, não é!? Porque perdoar é difícil (e eu concordo), especialmente com relação a certas coisas que fizeram conosco.

A grande dificuldade que nós temos de perdoar é a seguinte: nós pensamos que, se perdoamos, estamos “dando razão” ao outro. Que a pessoa não tem nenhuma dívida conosco. Que a pessoa está certa. Se eu a perdoo, então estou afirmando que ela está certa. Não! Não é isso. Na verdade, a pessoa nos deve, como alguém que nos deve dinheiro.

Mas veja bem: na hora em que você perdoa uma dívida, a dívida está perdoada. Você não disse que o seu devedor estava certo ou não. Ele era um devedor! E continuaria sendo um devedor. Continuaria devendo para você. Você não disse que ele estava certo e o que ele fez era correto. Não! Pelo contrário, você está dizendo: “Aquilo que você fez comigo, a injustiça que você praticou, o mal que você me fez, a calúnia, a mentira que você disse, os maus-tratos e as ofensas, tudo isso foi errado e é errado, mas eu lhe perdoo”.

Portanto, em primeiro lugar, o perdão é um ato de vontade. Não espere “sentir” para depois poder perdoar. Não! Dê o primeiro passo. E hoje é o dia para dar um passo assim.

Já, agora, abra o coração. Disponha-se a perdoar. Você sabe bem quais são as pessoas às quais você precisa perdoar. Perdoar, por coisas grandes e por coisas pequenas, a pessoas muito próximas, de dentro da sua casa, porque, muitas vezes, os nossos problemas ali são domésticos, caseiros, entre marido e mulher, pais e filhos, entre irmãos, vizinhos, os outros parentes nossos. Mas também pode acontecer com pessoas não próximas a nós. Pode ser coisa grande, mas, muitas vezes, nós nos “enroscamos” em coisas pequenas.

Só que nós não perdoamos. E o que é pior: o perdão não dado cria em nós o ressentimento. E o ressentimento quer dizer “re + sentir”. Na hora em que a pessoa fez alguma coisa de mau para você, você sente. Se você não a perdoa, você começa a partir daí a ressentir. É como uma farpa que entra no seu dedo (e quantas vezes acontece isso com quem trabalha na roça!). Se nós tiramos a farpa, tiramos e pronto! O mesmo acontece com o perdão: no coração eu perdoei. Talvez nem seja necessário que eu fale com a pessoa: “Eu estou te perdoando”. Mas a gente perdoa e não fica guardando! Agora, se você deixa a farpa ali no dedo, não é verdade que logo começa a ficar “amarelinho” e a doer? O dedo começa a latejar e a inflamar. Pode até infeccionar! E talvez o médico tenha que fazer um corte para acabar com a infecção. Gente, é assim que acontece quando nós não perdoamos!

Agora imagine se você tem farpas em todos os dedos. E duas ou três farpas em cada um deles. Não é assim que acontece conosco? Nós não perdoamos ali, não perdoamos acolá, e podemos trazer "farpas antigas" que estão "nos infeccionando".

E repare: se você não tira a farpa, não é a farpa que sofre. É você que sofre! Então me deixe dizer: perdoar é o melhor para nós! Eu diria: perdoar é inteligência. É dolorido tirar a farpa? É dolorido. Mas é uma dorzinha naquele momento e pronto! Perdoe, meu filho! Perdoe, minha filha! E você vai dizer: “Mas é difícil!” E eu concordo: é difícil. Só que é preciso dar esse passo.

Monsenhor Jonas Abib

29 de Setembro - Festa dos Arcanjos

Hoje a Igreja celebra a festa dos Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael. A Igreja Católica, guiada pelo Espírito Santo, herdou do Antigo Testamento, a devoção a estes amigos, protetores e intercessores, que do Céu vêm em nosso socorro.

"Miguel", que significa: "Quem como Deus”, segundo a Bíblia, ele é um dos sete espíritos assistentes ao trono do Altíssimo, portanto, um dos grandes príncipes do Céu e ministro de Deus.

"Gabriel", que significa: "Deus é forte" ou "aquele que está na presença de Deus", é o anjo da encarnação e, talvez, o da agonia do Jardim das Oliveiras. É ele que anuncia o nascimento de João Batista e de Jesus.

"Rafael", que quer dizer: "Medicina de Deus" ou "Deus cura", é o guia dos viajantes. Foi companheiro de viagem de Tobias. É aquele que cura, que expulsa os demônios, é o guia e seu protetor nas adversidades.

Deus Uno e Trino, Onipotente e Eterno! Antes de recorrermos aos Vossos servos, os Santos Anjos, prostramo-nos na Vossa presença e Vos adoramos: PAI, FILHO e ESPÍRITO SANTO. Bendito e louvado sejais por toda a eternidade! Deus Santo, Deus forte, Deus Imortal: que todos os Anjos e homens, que por Vós foram criados, Vos adorem Vos amem e permaneçam no Vosso serviço!

E Vós, MARIA, Rainha de todos os Anjos, aceitai benignamente as súplicas que dirigimos aos Vossos servos; apresentai-as ao Altíssimo Vós que sois a Medianeira de todas as graças e a Onipotência suplicante a fim de obtermos graça, salvação e auxílio. Amém.

Poderosos Santos Anjos, que por Deus nos fostes concedidos para nossa proteção e auxílio, em nome da Santíssima Trindade nós vos suplicamos:

Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós suplicamos em nome de Preciosíssimo Sangue de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pelo poderosíssimo nome de JESUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos por todas as chagas de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos por todos os martírios de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela Palavra Santa de DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pelo coração de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome do amor de DEUS tem por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome da fidelidade de DEUS por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome da misericórdia de DEUS por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de MARIA, Mãe de DEUS e nossa Mãe:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de MARIA, Rainha do Céu e da terra:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos em nome de MARIA, vossa Rainha e Senhora:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa própria bem-aventurança:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa própria fidelidade:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nós vos suplicamos pela vossa luta na defesa do Reino de DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!

Nós vos suplicamos:
Protegei-nos com o vosso escudo!
Nós vos suplicamos:
Defendei-nos com a vossa espada!
Nós vos suplicamos:
Iluminai-nos com a vossa luz!
Nós vos suplicamos:
Salvai-nos sob o manto protetor de MARIA!
Nós vos suplicamos:
Guardai-nos no Coração de Maria!
Nós vos suplicamos:
Confiai-nos às mãos de MARIA!
Nós vos suplicamos:

Mostrai-nos o caminho que conduz à Porta da Vida: o Coração aberto de nosso Senhor!
Nós vos suplicamos: Guiai-nos com segurança à Casa do PAI Celestial!
Todos vós, nove coros dos Espíritos bem-aventurados:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Nossos companheiros especiais e enviados por DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!
Insistentemente vos suplicamos:
Vinde depressa, socorrei-nos!
O Sangue Preciosíssimo de nosso Senhor e Rei foi derramado por nós pobres.
Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!
O Coração de nosso Senhor e Rei bate por amor de nós pobres.
Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!
Coração Imaculado de MARIA, Virgem puríssima e vossa Rainha bate por amor de nós pobres. Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!

SÃO MIGUEL ARCANJO: Vós, Príncipe dos exércitos celestes, Vencedor do dragão infernal, recebestes de DEUS força e poder para aniquilar, pela humildade, a soberba do príncipe das trevas. Insistentemente vos suplicamos que nos alcanceis de DEUS a verdadeira humildade de coração, uma fidelidade inabalável no comprimento contínuo da vontade de DEUS e uma grande fortaleza no sofrimento e na penúria. Ao comparecermos perante o tribunal de DEUS – Socorrei-nos para que não desfaleçamos!

SÃO GABRIEL ARCANJO: Vós, Anjo da Encarnação, Mensageiro fiel de DEUS, abri os nossos ouvidos para que possam captar até as mais suaves sugestões e apelos da graça emanados do Coração amabilíssimo de nosso Senhor. Nós Vos suplicamos que fiqueis sempre junto de nós, para que, compreendendo bem a Palavra de DEUS quer de nós. Fazei que estejamos sempre disponíveis e vigilantes – Que o Senhor, quando vier, não nos encontre dormindo!

SÃO RAFAEL ARCANJO: Vós que sois lança e bálsamo do amor divino, nós vos suplicamos, feri o nosso coração e depositai nele um amor ardente a DEUS. Que a ferida não se apague nele, para que nos faça perseverar todos os dias no caminho do amor – Que tudo vençamos pelo amor!

ANJOS PODEROSOS e nossos irmãos santos que servis diante do trono de DEUS, vinde em nosso auxílio.

- Defendei-nos de nós próprios, da nossa covardia e tibieza, do nosso egoísmo e ambição, da nossa inveja e falta de confiança, da nossa avidez na busca de abundância, do bem-estar e da estima pública.

- Desatai em nós as algemas do pecado e do apego às coisas terrenas. Tirai dos nossos olhos as vendas que nós mesmos lhes pusemos e que nos impedem de ver as necessidades do nosso próximo e a miséria do nosso ambiente, porque nos fechamos numa mórbida complacência de nós mesmos.

- Cravai no nosso coração o aguilhão da santa ansiedade por DEUS, para que não cessemos de procura-l’O, com ardor, contrição e amor.- Contemplai o Sangue do Senhor, derramado por nossa causa! Contemplai as lágrimas da vossa Rainha, choradas por nossa causa!

- Contemplai em nós a imagem de DEUS, desfigurada por nossos pecados, que Ele por amor imprimiu em nossa alma!- Auxiliai-nos a reconhecer a DEUS, adora-Lo, amá-Lo e servi-Lo! Auxiliai-nos na luta contra o poder das trevas que, disfarçadamente, nos envolve e aflige.

- Auxiliai-nos, para que nenhum de nós se perca permitindo assim que um dia nos reunamos todos, jubilosamente, na eterna Bem-aventurança. Amém.

SÃO MIGUEL assisti-nos com vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!
SÃO GABRIEL assisti-nos com vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!
SÀO RAFAEL assisti-nos com vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!

Ó Deus, que organizais de modo admirável o serviço dos anjos e dos homens, fazei que sejamos protegidos na terra por aqueles que vos servem no céu. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho na unidade do Espírito Santo.

Conte com as minhas orações.

Padre Luizinho

Onde há fé, o medo muda de cor

“Por que tanto medo, homens de pouca fé?” (Mt 8,26)

Viver da fé é o que faz a diferença em nossa vida. Com ela, conseguimos enxergar a vida como de fato ela é, e com um belo colorido.

O medo jamais pode ter a palavra final nas circustâncias de nopssa existência, ao contrário, levantemos a bandeira da fé e lutemos com esta arma que faz o medo mudar de cor e o põe em fuga. Pela fé, cada vez mais nos tornamos agradáveis a Deus.

“Quem é o vencedor do mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?”(1Jo 5,5)

Somos de Deus e só podemos acreditar nele. Se, talvez pelas circunstâncias da vida, nos tornamos pessoas incrédulas, peçamos ao Senhor que restaure a nossa fé. “Meu Senhor e meu Deus eu creio, mas aumentai a minha fé.

Luzia Santiago

A força do intercessor

Em nosso batismo fomos feitos sacerdotes, capazes de oferecer a Deus sacrifícios agradáveis, também em favor dos outros. Quantas situações nos são apresentadas diante dos olhos e intimidam nosso coração a uma atitude em favor de alguém ou de algo? Será que aí não estão uma escolha e um convite do Espírito Santo para interceder?

Foi Deus quem chamou Moisés, e agora também nos chama de um lugar que arde, mas que não é a sarça. Chama-nos em nosso coração e abrasa-o com Seu Espírito Santo a fim de enviar-nos, para partilhar de Sua compaixão com os que sofrem, para colaborar em Sua obra de salvação.

Deus está vivo e quer contar com homens e mulheres que estejam dispostos a levar a vida que Ele tem e dá àqueles que se perderam. Todos os que amam sinceramente a Deus não cessam de rezar pelos pobres pecadores.

Diz a Sagrada Escritura que Deus falava com Moisés face a face como um homem fala com o outro (cf. Ex 33,11). Só quem é capaz de gastar seu tempo na presença do Senhor pode experimentar a força da oração intercessora e ver o Seu poder.

Um Deus cheio de misericórdia e amor ensinou Moisés, na intimidade, que é preciso ter um coração generoso, lento para a cólera, pronto para amar e fazer o bem. Foi nessa intimidade amorosa que a oração desse profeta se tornou potente. Ele não ora para si, mas pelos outros, pelo povo de Deus, e foi capaz de enfrentar a Deus por amor de seu povo, bem como enfrentar seu povo por amor de Deus. Ele era um homem ousado, inflamado pela experiência do amor de seu “amigo Deus”.

A oração de intercessão é profundamente agradável a Deus, pois é desprovida do veneno de nosso egoísmo. Quando rezamos pelos outros, saímos de nós mesmos, de nosso mundinho de mesquinhez e experimentamos o mesmo que Dom Bosco: Deus nos colocou no mundo para os outros.

Jesus viveu para os outros, viveu para o Pai e para nós, esquecendo-se de Si mesmo. Ele é o único intercessor junto ao Pai em favor de todos os homens.

Interceder é pedir em favor de alguém, de maneira especial por aqueles que mais necessitam. Só quem experimentou a misericórdia do Senhor pode interceder com eficácia, pois ninguém pode dar o que não recebeu. É um coração misericordioso que faz a nossa oração agradável a Deus.

O intercessor só pode ser um homem cheio do Espírito, pois o Espírito Santo é o Paráclito, Ele mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis. Se estar cheios do Espírito nos leva a interceder, o contrário também é verdade: interceder vai nos fazendo cada vez mais plenos do Espírito Santo; basta que Ele veja um coração determinado à intercessão, que já vem logo ensinar como fazê-lo.

Márcio Mendes
Retirado do livro "Quando só Deus é a resposta"

Um casal orante resiste a toda adversidade

Os cientistas dizem que, por causa do buraco na camada de ozônio, o calor está aumentando de ano para ano, em escala avançada. No entanto, a fé sobre a terra está esfriando de dia para dia, em escala assustadora! A mentalidade atual não é de oração, mas de eficiência: "Somos nós que resolvemos os nossos problemas".

A luta não é contra os problemas de bebida e adultério do cônjuge, não é contra a revolta dos filhos nas drogas, no desregramento. A batalha que enfrentamos vai além das forças humanas. É uma batalha espiritual. Estamos lutando contra os inimigos do mundo espiritual, que querem destruir o casamento.

"Pois não é o homem que afrontamos, mas as Autoridades, os Poderes, os Dominadores deste mundo de trevas, os espíritos do mal que estão nos céus. Que o Espírito suscite a vossa oração sob todas as suas formas, vossos pedidos, em todas as circunstâncias; empregai as vossas vigílias em uma infatigável intercessão por todos os santos [...]" (Ef 6,12.18).

Seja qual for o seu mal, o Senhor quer dar-lhe a cura e a libertação de que você precisa. Assuma: você é predileto de Deus! Quando oramos, o Espírito Santo realiza. Quando se testemunha a cura, o poder curador se faz presente.

Deus quer tocar o seu coração, reanimá-lo, levantá-lo e levantar seu casamento. Para Ele não existe distância, e o tempo é sempre “presente”. Pela oração, unimos a terra ao céu. Deus quer escutar a sua oração, Ele quer atender você. Permita que Ele solucione o seu impossível!

O poder libertador do Altíssimo é capaz de acabar com a droga, o alcoolismo, a infidelidade, o adultério e todos os ressentimentos que você tem carregado. Até em seu temperamento Deus quer agir. Basta a sua decisão e o Espírito Santo agirá.

Monsenhor Jonas Abib
Retirado do livro "Homem e mulher em sintonia"

Aprofundamento para Casais – ECC de Fátima

Irmaos,

Gratidão é uma sensação tão agradável...Cresce onde sementinhas são lançadas, floresce sob o sol. Quase todos temos motivos para a gratidão, principalmente quando pessoas em nossas vidas têm tempo para partilhar, ouvir, falar, crescer juntas.

O ECC de Fátima ganhou mais um importante capítulo na comemoração de seus 30 anos.

O aprofundamento foi realmente um momento de parada, um momento de reflexão, um mometo de grande espiritualidade.

Queríamos agradecer ao Padre Ivan que abriu a nossa programação com a celebração da Santa Missa e uma bela Homilia, agradecer aos casais Sérgio e Socorro, Mário e Irles e Airton e Maria Tereza que abrilhantaram o evento com suas palestras edificantes, agradecer aos jovens de Fátima que encerraram o dia com uma bela Adoração ao Santíssimo, agradecer aos funcionários e religiosos do CEU- Condomínio Espiritual Uirapuru que nos acolheram tão bem desde o sábado, e finalmente agradecer de todo o coração a cada casal que trocou o domingo com suas famílias e/ou amigos para estarem conosco neste importante momento.

As fotos do Aprofundamento estao disponiveis no link abaixo.

Somos livres para recusar os dons de Deus

As formas de Deus agir, sempre manifestadas quando Ele se revela, são diferentes do jeito de ser da pessoa humana. O Seu projeto passa a constituir-se como proposta para o nosso proceder. As respostas que damos a Ele devem ser de forma consciente e livre.

As pessoas têm plena liberdade para atender o chamado feito pelo Senhor. Elas devem dizer um "sim" que realmente seja "sim", com autenticidade e coração livre. Muitos trocam seu "sim" pelo "não", deixando de realizar o bem como primeira proposta assumida.

Somos livres para recusar os dons de Deus, podendo até agir de forma contrária, evidenciando nosso orgulho próprio. Foi o que aconteceu com o filho que disse “sim” e acabou realizando o “não”, contrariando a vontade de seu pai.

Pelo nosso livre-arbítrio, podemos escolher fazer o bem ou o mal. Tendo feito a escolha, somos também capazes de mudar de rumo. Isso é sinal de que temos limitações e nunca estamos prontos e totalmente certos sobre o caminho que devemos percorrer.

Diante de tudo isso, o seguimento do caminho do Senhor supõe frequente revisão de vida. É um processo de conversão constante, de discernimento sobre o que seja melhor a ser realizado, e que traga consequências realmente positivas para o bem comum.

Para agir bem é preciso afastar de nós a arrogância e o egoísmo, porque eles ameaçam a convivência e criam privilégios. Com isso deixamos de ser servos. A prática da humildade faz a diferença na construção de uma comunidade fraterna e humana.

Nos caminhos do Senhor temos que evitar uma prática religiosa intimista, que tem um olhar voltado para Deus sem dar importância ao irmão com quem convivemos. É o perigo da prática vertical sem dimensão horizontal da fé, sendo ação apenas subjetiva. Assim caímos facilmente na ideologia da prosperidade, muito falada hoje, de olhar para si mesmo sem dar conta de que os caminhos do Senhor passam pela vida de comunidade. Deus quer nosso trabalho e luta para conquistarmos os bens necessários de sobrevivência.

Dom Paulo Mendes Peixoto
Bispo de São José do Rio Preto

Como sobreviver enfrentando tantas dificuldades?

Somos os "infelizes que gritam a Deus". E somos ouvidos. Mas, ao mesmo tempo, porque somos ouvidos entramos em luta. Deixe-me dizer: somos "teimosos" como os apóstolos. Parece que eles eram teimosos, não é? Não parece não. Eles eram mesmo! Não "teimoso" no sentido ruim como nós falamos, mas essa "teimosia" por Deus. É preciso obedecer mais a Deus do que aos homens. Mesmo sofrendo, mesmo ameaçados, eles continuavam a lutar e não paravam.

Meu irmão, minha irmã, eu não estou minimizando o seu sofrimento. Talvez o seu sofrimento interior e o sofrimento da sua família seja grande, grande demais. São problemas com o seu casamento e com seus filhos, com a pobreza que você enfrenta, o desemprego; ou, então, a luta com o trabalho que você tem (graças a Deus!). Não estou minimizando seus problemas, mas este é o "mínimo do mínimo" para você sobreviver enfrentando tantas dificuldades.

Eu não tenho outra coisa a dizer a não ser aquilo que você já sabe: aguente firme, meu filho! Aguente firme, minha filha! Porque "esse infeliz gritou a Deus e foi ouvido!"

Quantas vezes nós nos revoltamos contra Deus! Você pode pensar: "Por que é que Deus permite isso? Eu sou tão bom! E por que justamente na minha família acontecem esses problemas? No meu casamento eu sou tão fiel e tem tanta gente adúltera, tanta gente errada, que bebe, se droga; tanta gente corrupta que eu conheço até na minha cidade, mas parece que eles não têm problema nenhum! Mas eu, que sou um 'pobre Jó', cheio de problemas, por que sofro isso?".

Meu irmão, minha irmã, não se deixe enganar pelo inimigo. Ele quer dizer para você que existe um caminho "aberto", um caminho "largo", sem pedras e dificuldades. E diz: "Venha para cá! Venha para o meu lado. Deixe sua cruz, deixe de sofrimento! Venha para a lei da 'liberdade'!".

É claro, você não é bobo! Você não vai se deixar enganar. E eu estou dizendo hoje: não se deixe enganar. Pelo contrário, saiba que nós estamos "gemendo e chorando, degredados filhos de Eva, nesse vale de lágrimas". Mas a vitória de Jesus já está conosco! Como o Ressuscitado estava com os apóstolos, Ele está conosco. Ele está na sua casa, Ele está na sua família mesmo cheia de problemas.

Temos problemas e continuaremos tendo problemas, mas eu lhes digo que, até a vinda de Jesus, estaremos num "vale de lágrimas". Mas veja bem: quem deu do seu suor, da sua lágrima, quem deu do seu sangue nesta luta já tem parte no Céu Novo e na Terra Nova, na humanidade que o Senhor vai trazer.

Monsenhor Jonas Abib

Domingo dos dois Filhos

Damos Graças ao Pai porque Jesus é o Filho que aprendeu obediência por meio de sofrimentos e se tornou, por isso, fonte de salvação para os que aceitam entrar no seu caminho.

A 1ª Leitura é um texto dirigido ao povo no tempo do exílio. Era muito forte a concepção de salvação e perdição como responsabilidade coletiva. Havia até um ditado para criticar isso: Os pais comem uvas verdes e são os dentes dos filhos que ficam embotados. Ezequiel esclarece que a salvação de um indivíduo não depende dos seus antepassados. O que importa é a disposição atual do coração de cada indivíduo.

Na 2ª Leitura, Paulo, estando na prisão, escreve a comunidade dos Filipenses para anima-los na fé do Evangelho. Convida-os a superarem as divisões e a viverem na alegria.

No Evangelho, a parábola situa-se no contexto da rejeição de Jesus por parte dos chefes do povo. A intenção de Jesus não é a de converter os seus adversários, mas dizer-lhe claramente por que são rejeitados.

O Todo o acento da parábola está centrado no segundo filho, que disse “sim” e não foi capaz de cumprir o que prometeu. O “não” do primeiro filho serve para reforçar a gravidade da atitude do segundo.

A novidade da parábola não se encontra na resposta dos ouvintes, mas na aplicação que Jesus faz dela. E aí, “o feitiço vira contra o feiticeiro”. O “sim” não cumprido diz respeito aos interlocutores da parábola, aos profissionais do sim, que baseiam sua vida na observância da lei. Eles sempre dizem “sim”, mas o modo de viver não corresponde a essa resposta.

É a esses que Jesus quer atingir com a sua pregação. Do outro lado, estão os profissionais do “não”, as prostitutas e os pecadores, que, no fim das contas, são os que, de fato, são capazes de cumprir a vontade do pai. São eles os destinatários da boa nova.

E a vontade do Pai se cumpre para nós em Jesus. Ele é o Filho fiel que diz sim ao Pai e faz conforme sua decisão. E todo aquele que o acolhe e se põe no caminho de seu seguimento, como os publicanos e os pecadores que acolheram Jesus, esse cumpre a vontade do Pai.

E nós? Não podemos também nós ter a tentação de achar que basta ter bons projetos para estar na vontade de Deus? Tomamos boas decisões, temos motivações até bem espirituais, mas ficamos só na palavra. Reconheçamos nossa fragilidade humana e peçamos que o Senhor ponha em nós o Espírito de Jesus, para que possamos encontrar o jeito bem concreto de manifestar a nossa adesão à sua vontade.

Atenciosamente,

Pe. Francisco Ivan de Sousa
Pároco do Santuário de Fátima








Fica comigo Senhor

Fica comigo, Senhor, pois preciso da tua presença para não te esquecer. Sabes quão facilmente posso te abandonar.

Fica comigo, Senhor, porque sou fraco e preciso da tua força para não cair.

Fica comigo, Senhor, porque és minha vida, e sem ti perco o fervor.

Fica comigo, Senhor, porque és minha luz, e sem ti reina a escuridão.

Fica comigo, Senhor, para me mostrar tua vontade.

Fica comigo, Senhor, para que ouça tua voz e te siga.

Fica comigo, Senhor, pois desejo amar-te e permanecer sempre em tua companhia.

Fica comigo, Senhor, se queres que te seja fiel.

Fica comigo, Senhor, porque, por mais pobre que seja minha alma, quero que se transforme num lugar de consolação para ti, um ninho de amor.

Fica comigo, Jesus, pois se faz tarde e o dia chega ao fim; a vida passa, e a morte, o julgamento e a eternidade se aproximam. Preciso de ti para renovar minhas energias e não parar no caminho.

Está ficando tarde, a morte avança e eu tenho medo da escuridão, das tentações, da falta de fé, da cruz, das tristezas. Oh, quanto preciso de ti, meu Jesus, nesta noite de exílio.

Fica comigo nesta noite, Jesus, pois ao longo da vida, com todos os seus perigos, eu preciso de ti.

Faze, Senhor, que te reconheça como te reconheceram teus discípulos ao partir do pão, a fim de que a Comunhão Eucarística seja a luz a dissipar a escuridão, a força a me sustentar, a única alegria do meu coração.

Fica comigo, Senhor, porque na hora da morte quero estar unido a ti, se não pela Comunhão, ao menos pela graça e pelo amor.

Fica comigo, Jesus. Não peço consolações divinas, porque não as mereço, mas apenas o presente da tua presença, ah, isso sim te suplico!

Fica comigo, Senhor, pois é só a ti que procuro, teu amor, tua graça, tua vontade, teu coração, teu Espírito, porque te amo, e a única recompensa que te peço é poder amar-te sempre mais.

Como este amor resoluto desejo amar-te de todo o coração enquanto estiver na terra, para continuar a te amar perfeitamente por toda a eternidade.

Amém

São Pio de Pietrelcina

Este digníssimo seguidor de S. Francisco de Assis nasceu no dia 25 de maio de 1887 em Pietrelcina (Itália). Seu nome verdadeiro era Francesco Forgione.

Ainda criança era muito assíduo com as coisas de Deus, tendo uma inigualável admiração por Nossa Senhora e o seu Filho Jesus, os quais via constantemente devido à grande familiaridade. Ainda pequenino havia se tornado amigo do seu Anjo da Guarda, a quem recorria muitas vezes para auxiliá-lo no seu trajeto nos caminhos do Evangelho.

Conta a história que ele recomendava muitas vezes as pessoas a recorrerem ao seu Anjo da Guarda estreitando assim a intimidade dos fiéis para com aquele que viria a ser o primeiro sacerdote da história da Igreja a receber os estigmas do Cristo do Calvário.

Com quinze anos de idade entrou no Noviciado da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em Morcone, adotando o nome de "Frei Pio" e foi ordenado sacerdote em 10 de agosto de 1910 na Arquidiocese de Benevento.

Após a ordenação, Padre Pio precisou ficar com sua família até 1916, por motivos de saúde e, em setembro desse mesmo ano, foi enviado para o convento de São Giovanni Rotondo, onde permaneceu até o dia de sua morte.

Abrasado pelo amor de Deus, marcado pelo sofrimento e profundamente imerso nas realidades sobrenaturais, Padre Pio recebeu os estigmas, sinais da Paixão de Jesus Cristo, em seu próprio corpo.

Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por meio desse sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiéis e libertá-los das garras do demônio, conhecido por ele como "barba azul".

Torturado, tentado e testado muitas vezes pelo maligno, esse grande santo sabia muito da sua astúcia no afã de desviar os filhos de Deus do caminho da fé. Percebendo que não somente deveria aliviar o sofrimento espiritual, recebeu de Deus a inspiração de construir um grande hospital, conhecido como "Casa Alívio do Sofrimento", que se tornou uma referência em toda a Europa. A fundação deste hospital se deu a 5 de maio de 1956.

Devido aos horrores provocados pela Segunda Guerra Mundial, Padre Pio cria os grupos de oração, verdadeiras células catalisadoras do amor e da paz de Deus, para serem instrumentos dessas virtudes no mundo que sofria e angustiava-se no vale tenebroso de lágrimas e sofrimentos.

Na ocasião do aniversário de 50 anos dos grupos de oração, Padre Pio celebrou uma Missa nesta intenção. Essa Celebração Eucarística foi o caminho para o seu Calvário definitivo, na qual entregaria a alma e o corpo ao seu grande Amor: Nosso Senhor Jesus Cristo; e a última vez em que os seus filhos espirituais veriam a quem tanto amavam.

Era madrugada do dia 23 de setembro de 1968, no seu quarto conventual com o terço entre os dedos repetindo o nome de Jesus e Maria, descansa em paz aquele que tinha abraçado a Cruz de Cristo, fazendo desta a ponte de ligação entre a terra e o céu.

Foi beatificado no dia 2 de maio de 1999 pelo Papa João Paulo II e canonizado no dia 16 de junho de 2002 também pelo saudoso Pontífice.

Padre Pio dizia: "Ficarei na porta do Paraíso até o último dos meus filhos entrar!"

São Pio de Pietrelcina, rogai por nós!

Aspirai aos dons espirituais

Todos nós somos dependentes de Deus, aspiramos por Sua sua ação em nossas vidas. Mesmo que ainda existam pessoas que creem não precisar da intervenção de Deus em suas vidas, ela é necessária. Elas não sabem que precisam do Senhor, assim como o pássaro desconhece a necessidade do oxigênio. Se tirarmos o oxigênio do pássaro, mesmo sem aceitar sua importância, ele morrerá. Assim como acontecerá com o ateu se for tirado Deus dele.

Muitas vezes, nos achamos seres autossuficientes, acreditamos que o fato de termos independência financeira é mais do que necessário para vivermos. Mas, conforme a idade avança, a nossa dependência aumenta, seja de remédios, seja hábitos e até mesmo de pessoas.

E é assim que, com consciência, somos capazes de aprender e aceitar que somos seres dependentes em muitos fatores, principalmente da presença de Deus em nossa vida.

E quando aceitamos isso, Deus nos convida a aspirar aos dons espirituais. Somos seres capazes de desenvolver vários dons, seja pessoal ou profissionalmente, mas os dons que realmente nos dão força para continuarmos vêm de Nosso Senhor. São eles os dons da cura, da libertação, da misericórdia e muitos outros.

Nossa obrigação é, ao receber esses dons, compartilhá-los com nossa comunidade, seja ela nossa família, grupo de oração ou amigos de trabalho. Esses dons espirituais, além de consertarem nossa vida, são fruto de partilha para nossos irmãos.

Quando somos portadores dos dons espirituais somos capazes de transbordar o ambiente onde estamos com eles. Dessa forma, as pessoas são tocadas e se sentem mais próximas de Deus.

Cristo nos chama e quer nos capacitar para a vida, nos preparar para suportarmos os desafios que a caminhada vai nos impor. Não nos faltam dons, mas é preciso que aspiremos a eles por intermédio de Deus. Devemos guardar esses dons, pois quando as situações propícias se apresentarem em nossa vida nós seremos capazes de enfrentá-las.

A oração é a base de todos os dons, pois é por meio dessa prática que nos preparamos para recebê-los. Não basta desejá-los, precisamos estar prontos para a ação de Deus em nossa vida. Precisamos querer estar capacitados por Deus, para só assim Ele começar Sua obra em nós.

O mundo pode nos desprezar, mas Deus ao nos olhar enxerga algo muito mais profundo e nos coloca em determinadas situações para nos preparar. Ele sabe exatamente quais dons derramar sobre nós, pois Cristo tem planos muito maiores para nós.

Você só precisa querer, só precisa aspirar aos dons espirituais. Assim como o pássaro, que deseja o ar, você precisa desejar a presença de Deus na sua vida e reconhecer sua história. O Senhor quer sua felicidade, mas não podemos ser felizes com o pecado, por isso, peça ao Senhor hoje os dons espirituais, para ser capacitado e, assim, poder ultrapassar seus limites e vencer as barreiras que o mundo nos impõe.

Dunga
Comunidade Canção Nova

Oportunidade de conversão

Seguir a Deus não significa não ter cruz, por isso não devemos desanimar, mas confiar que o Senhor tem o melhor para nós. Temos de compreender que, na vida, nós estamos numa caminhada e o ponto de partida para todos nós é compreender que as tribulações não podem ser compreendidas como castigo ou obstáculo. Não há discipulado sem cruz, no eixo do discipulado há cruz.

Quando eu falo de cruz, estou falando do Crucificado, o nosso Redentor. No discipulado, tribulação, sofrimento e aflições são parte do caminho de santificação. Se nós olharmos para a nossa vida veremos que todas as situações de sofrimento nos levam a um caminho de purificação.

A tentação vem do diabo, e as tribulações são permitidas por Deus. Vejamos essa passagem bílica que nos ajudará a meditar melhor sobre essa realidade:

"Pois o Senhor corrige a quem ama e castiga todo aquele que reconhece por seu filho (Pr 3,11s). "Estais sendo provados para a vossa correção: é Deus que vos trata como filhos. Ora, qual é o filho a quem seu pai não corrige? Mas se permanecêsseis sem a correção que é comum a todos, seríeis bastardos e não filhos legítimos" (Hb 12,6-8).

Você percebe que o discípulo precisa ser formado e provado. Quem ama quer constantemente provas de amor. O "castigo" de Deus não é um castigo para nos aniquilar ou fazer o mal, mas para nos formar e educar.

Na escola de Jesus temos as tribulações e provações como pedagogia, mas tudo isso por amor. Nós temos de compreender que nós estamos na pedagogia da cruz e que o sofrimento nos ajuda.

Olhamos para o esvaziamento de Jesus na cruz e nos perguntamos: "Por que Deus não fez nada? Por que Ele não tirou Seu Filho da cruz?" Isso é a sabedoria de Deus Pai. Ninguém gosta de sofrer nem deve pedir ou buscar o sofrimento, pois não precisa fazer isso, ele vem de qualquer forma.

Mais importante do que a saúde do corpo é a saúde da alma, por isso as provações estão a nosso favor e constituem uma sábia pedagogia de Jesus. As provações nos tiram do mundo e nos levam para Deus.

Se você está muito mergulhado nos prazeres do mundo, muito abastecido dos bens materiais ou tem tudo nas mãos, eu lhe digo: Você não é uma pessoa feliz, porque essas são alegrias momentâneas e vão passar. Hoje o mundo somente nos oferece prazeres que passam rapidamente como as drogas, bebidas e tantas outras coisas. Por isso digo mais uma vez: as provações nos arrebatam para Deus. O Senhor não mexe com quem não quer, mas Ele permite que as provações aconteçam para aqueles que querem segui-Lo de perto, porque essa pessoa saberá entender que é para o seu bem.

Você acha que é uma pessoa que já produz algum fruto? Claro se nós estamos aqui ou acompanhando, onde quer que você esteja, é sinal de que já damos muitos frutos, por isso há a necessidade de sermos podados para poder dar mais frutos.

É verdade que isso dói, e dói mesmo, mas é para o nosso bem. Eu indico um livro muito bom sobre a vida de Madre Teresa de Calcutá, que reflete para nós uma mulher que se entregou totalmente a Nosso Senhor e lutou pela santificação da Índia, um grande exemplo de vida, plena de caridade, dedicada ao povo e a Deus. Ela, mesmo passando por um momento terrível de aridez espiritual, nunca deixou de praticar o bem, a caridade.

Nós queremos, muitas vezes, vida fácil, não queremos enfrentar os demônios interiores porque queremos facilidade. Temos, muitas vezes, um coração duro. Entenda que o caminho de discipulado é uma subida cheia de dificuldades, mas que tem o auxílio de Nosso Senhor.

A fé verdadeira só chega depois da tribulação, por isso deixe vir a tribulação! O Papa Bento XVI foi espetacular na sua Encíclica “Spe Salvi”, na qual afirma que: "A fé se torna verdadeira quando se assume a cruz e caminha com esperança no Senhor Jesus".

Quais são as suas tribulações ou provações? Identificá-las é o primeiro passo e depois é preciso caminhar. É preciso identificar na vida espiritual o que você está vivendo. Precisamos aprender a identificar os problemas em nossa vida, digo isso a todos, pois sem Deus ficamos fracos; por isso há a necessidade de nos colocarmos diante do Senhor.

Eu sei que não estou sozinho neste momento, Deus está comigo, esse estar na presença do Altíssimo. Essa fé de que o Senhor está comigo independe da situação em que vivo.

Se eu estou passando por alguma provação eu colherei o fruto de uma fé provada. Depois de uma provação, de uma tempestade, vem a bonança, mas é preciso um esperar ativo em Deus Pai, caminhando com Ele e confiante.

Deus nos prova não para nos humilhar, mas para que nós possamos perceber o quanto necessitamos d'Ele, e o quanto somos frágeis.

Padre Reginaldo Manzotti

Firmes na fé

Sede pacientes na tribulação e perseverantes na oração

Embora o ato de fé tenha características de racionalidade, não há dúvida de que, por ele, entramos no âmbito do sobrenatural. Vale dizer que a fé nos introduz no mundo do mistério, não muito fácil de ser explicado. Só um ser racional pode ter fé, pois isso envolve uma qualidade divina, que apenas os seres constituídos “imagem e semelhança de Deus” podem ter: a liberdade.

Como explicar esse ato, que está no fundo do coração humano, de confiar, de maneira livre e inabalável, numa pessoa? A fé, antes de ser esforço e busca do ser humano, é dom gratuito, oferta do Grande Ser de toda a criação. Com isso fica claro que a nossa resposta é o ato segundo, porque o ato primeiro é a graça que nos vem do Ser Amoroso.

Crer não é aderir a verdades. É aceitar uma Pessoa, Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, vejam bem, na oração do Credo rezamos primeiro “creio no Espírito Santo”, para só depois dizermos que “creio na Igreja Católica”. Assim estamos dizendo que cremos na Igreja, por ser obra Espírito Divino.

No ato de acreditar está sempre embutida, com mais força ou menos, a dúvida. Esta é tanto maior quanto menos tivermos a humildade de rezar e também de estudar. No entanto, além das dúvidas, pode aparecer um problema muito maior, que é o abalo de nossa confiança em Deus. A isso podemos ficar expostos nas grandes tribulações.

Numa grande enchente, num cruel terremoto, numa seca interminável, nos horrores da guerra, na miséria extrema, só ainda o coração fiel é capaz de se agarrar ao Senhor e exclamar: “Olha para mim, Senhor” (Jer 18, 19).

Quem não acredita que Deus é capaz de fazer brotar o bem de um grande mal corre o risco de abandonar a sua fé. Como também podem ocorrer males dentro da comunidade católica: desentendimentos com os líderes religiosos, desavenças dentro da paróquia, injustiças reais ou imaginárias, desprezo pelos pobres. E aí vem a grande tentação: não crer mais na Igreja Católica, e aderir a outras denominações religiosas (como se nessas não acontecessem problemas). “Sede pacientes na tribulação e perseverantes na oração” (Rom 12, 12). Apesar disso, quantos no Brasil abandonaram a sua fé na Igreja e buscaram outros grupos de fiéis. Isso nos entristece.

Dom Aloísio Roque Oppermann

Somos enviados para o campo de batalha

Quando dizemos – no Credo – que Jesus subiu aos céus e está assentado à direita de Deus Pai [...]. O "assentar-se" é assentar-se no Trono. É tomar o Seu lugar de autoridade, Sua posição, Sua função de autoridade. Jesus, que se assentou nos céus, à direita do Pai, retomou e está exercendo a Sua autoridade de Filho. Fomos levados para tomar assento com Cristo nos céus.

O que um rei faz assentado no trono? Ele rege, governa e dirige o seu povo. Ele dirige os destinos da sua nação. Fomos convidados e elevados com Cristo. Éramos como mortos, mas Deus nos vivificou, nos ressuscitou com Cristo e nos fez assentar com Ele nos céus.

Isso quer dizer que nós cristãos que estamos em Jesus e que temos o Espírito Santo somos convocados a estar com Nosso Senhor Jesus na Sala do Trono, "no gabinete das decisões". Lá nós temos assento: aí está nossa dignidade, nosso privilégio.

Intercessão não é um serviço a ser exercido por qualquer tipo de pessoa escalada, colocada para ficar em oração, "já que não tem nada que fazer". "Os que sobram vão para o grupo de intercessão..." Não, não é isso. Os intercessores, os que são chamados para o ministério de intercessão, são os convidados a assentar-se com Jesus nos céus, na Sala do Trono, para contribuir com o Senhor nesse ministério que Ele mesmo exerce diante do Pai, para a salvação do mundo.

Nossas orações mudam o destino do mundo e da Igreja! A Igreja, mais do que nunca, está precisando de cristãos orantes. Se ela ainda vai tão mal é porque temos muito pouco cristãos que oram. Alguns acham que rezamos demais.... Não! Rezamos pouco ainda. As pessoas que só comem um pouquinho e veem alguém comer um prato bem cheio de arroz com feijão acham que este está comendo demasiado. Infelizmente, rezamos muito pouco.

Mas Deus quer mudar todas as coisas. Ele nos chamou exatamente a nós que não somos "grande coisa". Chamou-nos e deu esse privilégio de sermos orantes, de sermos intercessores, de irmos com Cristo à Sala do Trono, à sala das decisões deste mundo. Ele quis nos dar esse privilégio. É uma questão de guerra, de luta. Nós que estivemos com o Senhor na Sala do Trono somos enviados para o campo de batalha.

Retirado do livro "Orando com Poder"
Monsenhor Jonas Abib

Aprofundamento para Casais – ECC de Fátima

O ECC de Fátima realizará no dia 25 de Setembro de 2011 o Aprofundamento para casais. Voce é um convidado muito especial, contamos com sua presença, para juntos comemorarmos o Jubileu de Pérola. O valor da inscrição é R$ 40,00 por casal.

Criada por Deus, a família existe para Ele, e só n’Ele pode encontrar o seu sentido. Vamos começar a encontrar o seu sentido no livro do Gênesis, mais exatamente no trecho que fala da origem do homem e da mulher sobre a terra.



“A família é o centro e o coração da civilização do amor”
 
Programação

08:00 Abertura
08:30 Missa - Celebração
09:30 Lanche
10:00 Palestra – Felicidade do Casal
11:00 Estudo de Grupo
11:30 Sintese dos Grupos
12:00 Almoço
14:00 Reviver os 30 Anos do ECC de Fátima
14:30 Palestra – Espiritualidade do Casal
15:30 Lanche
16:00 Adoração ao Santissimo

Informações: 3279.2603/9993.9825